julho 16, 2004

Sinal dos tempos.
Está defnido pela justiça: numa suruba ninguém é de ninguém. Segundo o juiz de Goias que julgou o caso “A literatura profana que trata do assunto dá destaque especial ao despudor e desavergonhamento, porque durante a orgia consentida e protagonizada não se faz distinção de sexo, podendo cada partícipe ser sujeito ativo ou passivo durante o desempenho sexual entre parceiros e parceiras. Tudo de forma consentida e efusivamente festejada”.
 
Em outras palavras, suruba só com mulheres agora. E, mesmo assim, há de se ficar de  olho atento às mãos dela.

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home