outubro 04, 2010

Paternalismos e coitadismos

Hoje temos uma sociedade de coitados, de pedintes. Uma sociedade de pessoas que não querem, não tentam, não se esforçam mais para conseguir o que querem, mas não porque deixaram de querer, pelo contrário, querem mais e mais. Apenas acham que as outras pessoas tem obrigação de prover-lhes tudo do bom e do melhor sem que eles pecisem fazer nada para merecer.
Dizem que a sociedade reflete e é refletida na política. Acho que nesse caso, especificamente, é uma verdade absoluta. A política hoje é feita de promessas de facilidades, promessas de bolsas, de cotas sem pedir nada em troca, apenas um voto de quatro em quatro anos. Isso gera uma relação de dependência e chantagem entre a população dependente de ajuda e o governo. Mas eles são felizes assim, afinal quem quer perder um dinheirinho fácil para acordar cedo e trabalhar, aturar chefe, aturar cliente?
Não vejo perspectiva de melhora. Trabalho com adolescente que já vem contaminados de berço com esse pensamento. É um tal de "me dá, me dá" sem que ninguém queria fazer nada para perceber. Se um aluno tem bala, ele tem a obrigação de distribuir para todos os outros, dá até briga se não fizer isso. Se tentamos passar um trabalho eles nos perguntam pra quê?, dizem que está difícil antes sequer de terminarmos a frase e pergunta seriamente se não podemos dar um ponto de graça.
Na minha infância eu saia para comprar cigarros para meu pai na esperança de ficar com algumas moedas de troco, ajudava em algumas coisas para ter um dinheiro - a passagem pelo menos - para sair final de semana. Nunca tive nada de graça e isso me moldou a nunca dar nada de graça.
Essa geração de pedintes se recusa a ter deveres, acha que o mundo é feito de direitos - deles - apenas. Querem o melhor sem ter que fazer o mínimo, querem que façamos o trabalho deles, exigem isso.
E conseguem isso.
Conseguem apenas porque um bando de babaca que acha que ser legal é ser capacho que sempre faz as coisas para os outros, seja um trabalho de escola a pagar uma conta na idade adulta. O mundo já foi dos esforçados, depois dos espertos. Hoje o mundo é dos pedintes, mas nunca será bos babacas bonzinhos que fazem tudo pelos outros.

3 Comments:

At 6:30 PM, outubro 05, 2010, Blogger testandooblog said...

Este comentário foi removido pelo autor.

 
At 6:35 PM, outubro 05, 2010, Blogger Caroline said...

É incrível como você descreve pensamentos meus que nem comento por que outros não entendem. Já estava esperando um texto desse sobre política. Um texto que nem sabia o assunto mas precisava ouvir pra me reconfortar: "é, pelo menos alguém pensa como eu." Valeu por isso :D

 
At 3:34 PM, junho 03, 2011, Anonymous Anônimo said...

Geração de espertos de um lado, geração de capachos de outro quer combinação melhor?, mas eventualmente os capachos se cansam e passam para o lado dos espertos, e quando não restar mais chão para pisar quem os espertos vão explorar?... canibalismo selvagem XD, essa cultura da esperteza tb está destinada ao fracasso, mas o que preocupa é a sujeira que vão deixar para uns poucos limpar.
Não sou capacho e não exploro nimguem, até por orgulho gosto de ganhar aquilo que de fato é mérito meu, mas hoje em dia pra não ser um nem outro estou tendo que ficar de canto, pq ou eu entro no esquema, ou sou engolido por ele, no fim brigo com todo mundo XD,mas antes isso do que me vender, meu orgulho é caro de mais e nimguem tá conseguindo me comprar.

 

Postar um comentário

<< Home