junho 10, 2013

Aceitação e conformação.

Algumas coisas simplesmente não são para eu ter. Não adianta quando eu queira e valorize, simplesmente não posso ter. É melhor eu aceitar e me conformar.
(Ainda lembro quando meu pai morreu, eu tinha 14 e estava vivendo na casa do meu tio para caso precisasse ser mais fácil o socorro. Precisou uma vez, não adiantou. Já esperava pela notícia, mas nunca é fácil ouvir, saber, entender que acabou. Quando me deram a notícia, aquele consolo, abraços, etc. No primeiro momento que eu consegui ficar sozinho sentei com a cachorra deles, nunca a minha, não tinha tido um bicho ainda, e fiquei a tarde toda, com ela. Me fez bem. Fiquei triste quando soube que ela tinha morrido, talvez mais que os donos.)
Sempre gostei de bichos, me dou bem com eles, quero brincar, gosto de ficar olhando, mesmo quando eles não estão fazendo nada, só dormindo. Quando criança nunca tive um bicho meu de verdade. Tinha os dos meus primos, que eu brincava quando ia à casa deles. Muitas vezes tinha mais atenção deles que das pessoas, não ligava e ainda não ligo. Para me deixar feliz numa reunião chata basta ter qualquer animal perto e que me de um mínimo de confiança.
Alguns gatos da vizinhança frequentavam lá em casa, eu dava água, roubava comida e ficava horas sentado brincando, às vezes, só olhando eles dormirem. Mas não eram meus, sempre voltavam para seus donos. Não ligava, estavam comigo um tempo.
Fui ter meu primeiro animal já adulto, graduado. Tive muitos depois deles, todos "sumiam", alguns eu vi mortos, outros vi morrer por maldade e "humanos" que se acham no direito de envenenar animais. Aprendi, castro, educo os meus para não ir para à rua mas mesmo assim eles acabam me deixando, não importa o que eu faça, eles simplesmente se vão. Uma doença aguda repentina, um acidente. Eles se vão. Fica a lembrança.
Se você não tem um animal, você não entenderá, nem tente. Se você tem, não preciso explicar que eles não podem ser substituídos, vai se um, adota-se outro. Não é assim.
Simplesmente não consigo mais perder um bicho, não suporto. Ainda tenho três, vou cuidar e fazer deles o melhor que eu posso. Mas uma vez eles não estando mais comigo, vou tentar não cuidar de nenhum outro. Acho que não são pra mim, não sou para ter, não posso ter. Simples.
É assim e pronto, vou voltar a brincar com o dos outros quando puder, mas minha casa vai ser sempre vazia. Assim como minha vida.
Acho que eu vou apagar isso.

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home